Por linhas tortas

20150803

Bom dia!

Costuma-se dizer que Deus escreve certo por linhas tortas, mas a verdade é que, quando olhamos bem, a vida mostra-nos que a segunda parte, a das linhas tortas, nada tem a ver com Ele, com o Universo ou qualquer Entidade, mas sim, unicamente, connosco.

Nós, seres humanos, somos verdadeiros especialistas na “arte” da projecção e das expectativas. Perante qualquer situação, somos fortemente tentados a fazer planos, idealizar os seus contornos e, mentalmente, tantas vezes, já estamos a viver tudo antes ainda de haver a possibilidade de acontecer. Sem percebermos, desgastamos a nossa mente com hipóteses, criando um mundo paralelo na nossa mente que, quando existe algo que realmente acontece, muitas vezes nos leva a frustrações, revoltas, mágoas e sentimentos de injustiça.

No entanto, quando somos capazes de ver, não só de forma racional, mas também com o coração, o que a vida nos coloca à frente, percebemos que tudo o que nos é dado tem um sentido e um propósito superior e magnífico, que todos os sinais nos são dados, no momento certo, para podermos tomar as nossas decisões. Da mesma maneira, compreendemos que todos os caminhos são reflexos das nossas escolhas e servem para que possamos crescer e evoluir.

Perante uma situação que não tomou os contornos que esperávamos, podemos escolher viver a frustração e a revolta pela suposta injustiça de que fomos alvo, algo que maior parte de nós faz e que é perfeitamente normal e humano. Essa escolha, na verdade, vai-nos levar à cristalização, à apatia e ao bloqueio, pois viveremos apenas focados no quão injusto o Universo é para connosco, logo nós que temos feito tudo tão direitinho! Contudo, podemos também escolher aceitar os vários contornos do nosso caminho, as situações vividas e tentar compreender o que o Universo nos quer transmitir. Dessa maneira, desbloqueamos a energia que estávamos a viver e fazemos com que o caminho se abra à nossa frente, repleto de Luz, permitindo-nos ver tudo como realmente é.

Somos humanos, é verdade, e sentirmo-nos injustiçados é perfeitamente normal. O que é incorrecto é viver nessa vibração, focando-nos apenas e unicamente no que nos aconteceu, pois isso impede-nos de compreender que o Universo apenas nos dá o que precisamos e o que merecemos, mas coloca-nos, quando tomamos uma decisão importante para o decorrer das nossas vidas e da nossa evolução, pequenas (ou grandes) provas que precisamos de superar.

Podemos perguntar-nos, mas afinal porque estamos sempre a ser postos à prova? Quanto a isso, apenas digo que o melhor, quando fazemos esta mesma pergunta, é observarmos a nossa reacção e as nossas atitudes perante essas mesmas provas e compreender que, tantas vezes, ainda não aprendemos verdadeiramente algumas lições do nosso caminho nesta vida. Viemos à Terra com um propósito, com um conjunto de objectivos e de tarefas que nos irão permitir crescer enquanto almas e libertar o nosso espírito para vôos maiores. Tudo o que aqui vivemos nada mais são do que os degraus necessários a subir em termos de consciência e cumprirmos o caminho de evolução a que nos propusemos.

Hoje, cerca de um dia depois de Saturno, o Mestre do Tempo, ter voltado ao seu movimento directo, vivemos a sua quadratura exacta com Júpiter, um processo que estamos a sentir desde há cerca de uma semana para cá e que ainda sentiremos durante mais alguns dias. A chave é exactamente Saturno ter voltado ao movimento directo, desbloqueando esse choque cego, essa fricção entre a nossa vontade de expandir o nosso Eu e a necessidade de aprendermos com a nossa caminhada a sermos não o que o Ego nos pede, mas sim o que o esse mesmo Eu realmente quis vir ser. Com Saturno ainda em Escorpião, as linhas tortas onde Deus, supostamente, escreve, podem agora ser vistas de forma única e compreendidas pela nossa Essência.

Apenas quando nos permitimos transformar por dentro, podemos mudar o nosso caminho por fora. Apenas quando aprendemos a acreditar no nosso caminho, podemos também compreender que todos os caminhos têm etapas e propósitos, que tudo tem um sentido. O segredo é o mesmo que nos tem sido mostrado e pedido nos últimos tempos, o de revelar a nossa Essência e descobrir as partes perdidas do nosso Eu, ligando-as pela Luz da Fé, do Amor, da Aceitação, da Entrega. Não é, sem dúvida, fácil, fazê-lo, pois isso implica mergulhar naquelas zonas escuras e nebulosas do nosso ser, encarar e trabalhar aquelas coisas que estão fechadas e guardadas mas que, certamente, nestas últimas semanas, vieram ao de cima, voltaram à nossa memória e pediram-nos resolução. Implica, na verdade, permitirmo-nos curar as feridas que carregamos desta e de todas as nossas vidas.

Como uma cicatriz que fica para sempre presente na nossa vida, lembrando-nos de um processo, de uma cura e de uma libertação, também essas mesmas linhas tortas parecem inicialmente um mau trabalho, mal feitas, mal conseguidas, para depois, mais tarde, se revelarem as maiores bênçãos das nossas vidas.

Boa semana!

Outros Artigos

Deixe o seu comentário