Conexões dos Signos para Novembro

Conexao201511

Novembro já chegou, trazendo-nos as chuvas de Escorpião e a sua energia intensa. Neste mês, também, outras energias combinam-se nos céus, nomeadamente Saturno e Neptuno que iniciam um envolvimento de largos meses em quadratura, levando-nos a olhar mais para dentro de nós, para as nossas questões, para que possamos encarar um lado mais sombrio do nosso ser, dos nossos medos, das nossas dúvidas e receios, de forma a podermos dissipar, a seu tempo, o nevoeiro que, em algumas áreas do nosso ser, tem toldado o nosso caminho. É já essa reflexão de energia que vamos encontrar nas Conexões deste mês, um pouco por todos os signos.

As Conexões para a energia dos Signos trazem-nos, juntamente com a energia do Tarot, mensagens, orientações e ideias para as doze dimensões do Ser que estão sempre a operar connosco. Através destas conexões, poderão ver a mensagem quer para o Signo Solar (o “nosso” signo), quer para o Signo Ascendente (se for diferente), e compreender ainda melhor o trabalho a fazer neste mês! Para além da Conexão dos Signos, e já para começar, uma mensagem geral para os próximos dias!

 

Novembro

Nos últimos meses tem-nos sido solicitado que trabalhemos as nossas emoções, que tomemos consciência de que é a energia do Amor que cria, que nos reforça e nos une. Quando somos capazes de vibrar em Amor, de largarmos e curarmos ódios, rancores, revoltas e medos que tantas vezes vamos acumulando, então somos capazes de atrair até à nossa vida tudo o que necessitamos e merecemos. O 3 de Copas, a carta que nos está a agraciar com a sua energia durante estas semanas, é uma carta maravilhosa e muito positiva, que nos recorda que a prosperidade chega às nossas vidas quando somos capazes de celebrar e de ser gratos pela beleza dos nossos dias, quando somos capazes de abrir o nosso coração ao nosso propósito de vida nesta Terra. Vivemos tempos muito movimentados e conturbados, com grandes contestações e sentimentos confusos. Sente-se a revolta, a frustração, muito ódio e inconstância à nossa volta, e no meio de tudo isso esquecemo-nos do mais importante, que é de coração aberto que conseguimos mudar as nossas vidas, que é apenas dessa forma que conseguimos dar para podermos receber de volta, plantar para colher mais tarde. Esta carta pede-nos para olharmos para dentro de nós, para reconhecermos que a maior dádiva que temos é a da vida e que apenas quando respeitamos esse dom, deixando de alimentar o nosso coração com energia negra e negativa, trazendo até ao mais profundo do nosso ser o verdadeiro Amor, a alegria que dele provém, a força e a Fé, então somos capazes de atrair até nós a verdadeira prosperidade, aquela que necessitamos e merecemos, para as nossas vidas. Quando a nossa vida se constrói e se baseia em falta de Amor, de partilha e de Fé, é como regarmos um vaso onde uma bela planta está rodeada de ervas daninhas, em que alimentamos em primeiro lugar essas mesmas ervas, que ganham força e consomem a energia que poderia ser para essa planta. Da mesma forma, quando o nosso coração não vibra no mais pleno e belo amor, na beleza da gratidão, então a prosperidade e a resolução das questões que nos incomodam não poderão até nós, certamente, chegar.

Carneiro

Depois do duro trabalho que foi feito neste último mês, em seguimento também do que nos tem sido pedido ao longo dos últimos tempos, a energia de Carneiro tem um desafio agora diferente, de tomada de consciência para que nos possamos libertar de algumas das questões que têm sido fortes e constantes nas nossas vidas. O 6 de Espadas é uma carta forte e poderosa, que nos diz que, se olharmos bem para a nossa vida, vamos ver que o “pior” já passou, que maior parte dos desafios já teve os seus pontos mais difíceis e que, neste momento, o que nos é pedido é que acalmemos o nosso espírito para podermos ver aquela luz ao fundo do túnel por que tanto temos ansiado. O tempo é de transição, mas tal só pode acontecer e materializar-se nas nossas vidas se a nossa consciência estiver em sintonia com o que o Universo nos está a proporcionar. Não passa só por uma visão diferente do mundo que nos rodeia, da nossa própria vida, não passa apenas por sermos mais optimistas ou realistas, mas sim por compreendermos que, embora ainda existam temas que precisem de ser resolvidos e trabalhados, há um caminho que está a ser feito, que as aprendizagens exigem tempo para se estruturarem, que há assuntos que só se resolvem depois de outros passos serem dados, que tudo isso implica alguma calma e paciência, algo que não é propriamente o forte da energia de Carneiro. Quando estamos a viver na pressa de algo que desejamos, acabamos por não ver o caminho que estamos a fazer, o trilho que estamos a calcorrear, e isso, sim, é que é o mais importante. Esse é o desafio que nos é colocado este mês, o de conseguirmos olhar o horizonte, libertarmo-nos da ansiedade de resolver seja o que for e compreender, dessa forma, que, neste momento, essa mudança já está em curso, que apenas precisamos de ir resolvendo as questões que ainda precisam de ser limpas, mas que elas já não são o problema em si, são o caminho para o nosso crescimento.

Touro

Os últimos meses têm trazido diversos desafios, fortes e intensos, à energia de Touro. Não pensemos, porém, que foi apenas o Universo a divertir-se a ver-nos sofrer e bater com a cabeça nas paredes. Pelo contrário, tudo tem um propósito, um sentido, o de crescermos, de compreendermos e trabalharmos o nosso poder pessoal, de forma a podermos, assim, continuar o nosso caminho e chegarmos onde pretendemos chegar. O Rei de Ouros é uma carta forte e poderosa, e é ela que nos vai orientar neste mês. Ela lembra-nos que quando reconhecemos o nosso verdadeiro poder, somos capazes de mover montanhas, de ultrapassar todos os obstáculos, de criar e trazer até nós a prosperidade, a felicidade, a estabilidade e a segurança que tanto procuramos. No entanto, tal também só é possível quando respeitamos a nossa própria natureza, os nossos sentimentos, as nossas emoções, quando nos permitimos ser, verdadeiramente, nós mesmos. Tudo o que temos vivido tem-nos levado até esse ponto, o de sabermos reconhecer a nossa essência, o de assumirmos o nosso caminho, ainda que isso, muitas vezes, possa não ser aceite ou percebido por quem nos rodeia. Recordemo-nos também que todo o poder implica um assumir de responsabilidade, e o poder pessoal não é excepção, pelo contrário, de certa forma, talvez seja ele quem mais responsabilidades nos coloca. É tempo de vivermos o que definimos nas nossas vidas, sem dúvida, mas tendo a consciência que o que colhemos é o que plantamos e que o terreno mais adubado que podemos ter é o nosso coração, pois tudo o que nele plantamos se multiplica de forma exponencial. Se lá plantamos amor, prosperidade, aceitação, respeito, alegria e vida, é tudo isso que vamos receber, mas se nele semeamos a revolta, o medo, a distância de nós mesmos, a soberba, a inveja e a falta de perdão, não iremos, com toda a certeza, receber coisas boas. Essa é a responsabilidade que o Rei de Ouros nos pede este mês, a de reconhecermos que o nosso poder pessoal é uma força criadora que está disponível e sempre activa em nós, que nos pede consciência de nós mesmos e uma escolha constante na construção do nosso caminho.

Gémeos

Depois de um mês mais mental, mais focado na tomada de consciência e em decisões que precisavam de ser tomadas, agora é tempo de permitir as emoções virem mais ao de cima e tomarem uma parte importante da nossa vida. A Força é uma das mais intensas cartas dos Arcanos Maiores, que nos pede que sejamos capazes de sentir a nossa vida, mais do que a pensar ou definir racionalmente, mas sim assumindo a coragem de viver as nossas emoções. Podemos pensar, racionalizar, tomar consciência e definir caminhos com a nossa mente, mas é o coração que nos dá a energia necessária para abraçarmos os desafios que a vida nos coloca, a força que precisamos para mandar abaixo as barreiras que se colocam à nossa frente. A vida precisa de ser vivida com alegria, com intensidade e com paixão, é isso que esta carta nos lembra, e, para isso, precisamos de nos entregar à sua beleza, à sua Luz, compreender e aceitar que este desafio terreno não é só um caminho cheio de obstáculos, é também uma experiência que nos permite crescer e evoluirmos, uma grande aventura do nosso espírito. Este mês é-nos pedido que nos apaixonemos pela vida e tenhamos a coragem de abraçar cada situação com a alegria, a pureza e a inocência que está dentro de nós. Se encararmos cada experiência com um sorriso, compreendendo o que ela nos está a solicitar, aceitando-a no nosso caminho, integrando os seus ensinamentos e, dessa forma, crescermos, então seremos capazes de, em cada momento, celebrar a vida e viver o agora. Muitas vezes, é a nossa postura perante o caminho que o molda e o transforma, pois é na nossa mente que esse mesmo caminho se constrói. Onde um vê um obstáculo, outro vê uma oportunidade, o que nos mostra também que se encararmos o nosso caminho com essa mesma coragem, alegria e força, então tudo se torna mais fácil, mais simples e, acima de tudo, mais gratificante.

Caranguejo

A energia de Caranguejo tem, mais uma vez, um desafio bastante complexo, talvez o maior entre todos os signos do Zodíaco neste mês. A passagem de Plutão por Capricórnio, opondo-se à energia de Caranguejo, tem deixado as suas marcas, trazendo um forte confronto energético, pedindo-nos, de alguma forma, uma transformação interior, uma tomada de consciência profunda, um sacrifício por trazermos de dentro de nós os nossos fantasmas, os nossos medos e bloqueios, e aceitarmos o nosso propósito de vida. É deste sacrifício e do que ele nos está a pedir que a carta que nos vai orientar este mês, o Dependurado, nos fala. Já sabemos que é da natureza humana ficarmos excessivamente focados num problema, na tentativa de o resolver. Sabemos também que a nossa energia, mais emocional e, tantas vezes, mais carente, leva a que esse foco se torne algo que remoemos em todos os momentos, que naturalmente vamos amplificando. Então, perante aquelas questões que mais nos estão a incomodar, que mais pressão criam dentro de nós, está na altura de pararmos para as olharmos profundamente e compreender o porquê de estarem nas nossas vidas. Tal nem sempre é fácil, mas se nos permitirmos olhar para a nossa vida e, em específico, para essas situações, com um outro olhar, com uma certa distância (que não é assim tão difícil quanto parece), poderemos compreender a razão superior de estarmos a ser confrontados com tal desafio. Não viemos à Terra para sofrer nem para estar em constantes provações, pelo que cada situação nas nossas vidas tem um propósito maior, de crescimento e evolução, que precisamos de aceitar e compreender, de abrir o nosso coração para a sua vivência. Sem dúvida que tal atitude é um sacrifício que temos de aceitar voluntariamente, mas é também o passo que nos permite subir mais degraus e chegar a patamares superiores. Essa é a solicitação que temos nas nossas vidas neste mês, e para a qual teremos algumas ajudas, a de olharmos a nossa vida com um outro olhar, de compreendermos e aceitarmos o que não podemos controlar, mas sim extrair o seu sumo, a sua aprendizagem e, dessa forma, superar tal provação.

Leão

Depois de um mês onde fomos confrontados com a nossa energia mental, com hábitos e padrões que, tantas vezes, insistimos em manter, agora o desafio é voltarmos ao nosso lado emocional e sabermos lidar com ele. O Rei de Copas é uma carta extraordinariamente positiva, que nos lembra que somos seres emocionais e que é quando temos consciência dessa grande força que temos em nós que somos capazes de nos elevar e crescer. Muitas vezes, dada a nossa energia de fogo, as nossas emoções são muito flutuantes, o que nos cria uma sensação, uma percepção, de que elas nos prejudicam mais do que nos auxiliam. No entanto, todos somos seres emocionais e é conhecendo e respeitando essa mesma realidade que conseguimos encontrar caminhos que, tantas vezes, nos estão ocultos. Esta carta pede-nos que façamos esse processo e aceitemos o que o nosso coração nos transmite, o que ele nos diz e nos solicita. Quando fugimos de assumir o domínio das nossas emoções, invariavelmente, acabamos por alimentar ilusões e expectativas sobre nós mesmos, sobre os outros, somos os nossos caminhos e propósitos, pois não estamos a ouvir o nosso coração, mas sim a amplificar os nossos medos, aqueles que vêm do passado, das situações que nos magoaram e nos marcaram mais. Contudo, quando somos donos das nossas emoções, quando as respeitamos e cultivamos em nós a capacidade de ouvir o que o nosso coração nos pede, então as águas do nosso lado emocional permitem-nos fluir, chegar mais longe sem a dificuldade que tantas vezes sentimos quando a algo nos propomos. Este mês é-nos pedido que paremos um pouco para ouvirmos os nossos sentimentos, o que o nosso coração nos pede, pois é ele a bússola que nos leva mais longe no nosso caminho. Se o fizermos, toda aquela flutuação emocional que tanto nos incomoda e nos leva a dar passos em falso transforma-se em certeza, em direcção e na mais perfeita harmonia que podemos sentir dentro de nós.

Virgem

O mês que passou foi intenso e complexo, onde a nossa mente foi levada a pontos extremos, onde cada passo foi um pouco mais duro do que o normal. No entanto, este mês a energia é diferente, com o Imperador, magnífica carta dos Arcanos Maiores, a presentear-nos com a sua orientação. Assumir o controlo das nossas vidas nem sempre nos leva para caminhos fáceis, nem para tomadas de decisões simples. Pelo contrário, muitas vezes somos obrigados a dar passos mais duros, a fazer escolhas mais exigentes. Contudo, se estivermos totalmente conscientes do nosso caminho e do nosso propósito, tudo se torna mais forte e simples, pois não nos deixamos levar por trilhos paralelos e sinuosos. Foquemo-nos nos nossos objectivos e, acima de tudo, no que temos compreendido sobre o nosso propósito, foquemo-nos no que é realmente importante nas nossas vidas e tomemos consciência de que somos os verdadeiros criadores de tudo o que temos. Este é um mês que nos pede para estarmos seguros de nós mesmos, do que pretendemos para nós e dos planos que temos vindo a traçar, pois só dessa forma poderemos dar os passos necessários para materializar essas mesmas metas e sentir a estabilidade que tanto temos pedido. Cada passo implica uma responsabilidade, uma escolha que é só nossa e que não podemos delegar a ninguém, mas quando ouvimos o nosso coração e sabemos o que nos faz feliz, executar tal tarefa torna-se menos pesada. É o tempo de nos organizarmos e de nos tornarmos eficientes, e esse será um forte desafio durante este mês, pois só equilibrando os nossos hábitos, criando regras e cumprindo-as, pois isso nada mais é do que o cumprir da energia que escolhemos trazer nesta vida, que nos pede foco, método e organização para podermos atingir tudo o que nos propusermos, para podermos, verdadeiramente, ser úteis e sentirmos que estamos ao serviço, da forma correcta, sem os excessos de preocupação ou de desligamento de nós próprios que tanto nos são característicos. Recordemo-nos apenas que ordem e foco não significa frieza ou falta de sensibilidade. Pelo contrário, para nos orientarmos e equilibrarmo-nos, de forma a cumprirmos o nosso propósito de serviço, temos de trazer a nossa sensibilidade e as nossas emoções e trabalhá-las como o alimento que vai fazer todos os nossos objectivos florescerem.

Balança

Os últimos meses foram muito positivos para a energia de Balança, mas este traz-nos mais um desafio. Escolhas e decisões são uma constante na nossa vida, sempre em busca de um equilíbrio perfeito entre tudo o que nos rodeia e nós mesmos. Não existe problema algum nisso, até porque tem a ver com a nossa própria natureza, mas é preciso compreender a forma como o fazemos. O 7 de Copas é uma carta que nos leva ao profundo mundo das nossas emoções, quando elas se misturam com o nosso pensamento e somos confrontados com as diversas decisões e escolhas, assim como às correspondentes tentações do Ego, que temos no nosso caminho. Muitas vezes, na ânsia de que tudo corra bem, de que todos à nossa volta estejam bem, esquecemo-nos do mais básico de tudo, que nós próprios possamos estar bem. De que serve tentarmos ajudar quem à nossa volta passa fome, se nós próprios ficamos a definhar com essa mesma necessidade? O que procuramos nós com este tipo de atitude? Somos apenas altruístas, ou é uma forma de colmatar carências e necessidades que temos tão profundas, que se torna difícil de ver a sua verdadeira face? O que esta carta nos pede para este mês é precisamente que saibamos avaliar o que a vida nos coloca, essas mesmas decisões com que somos constantemente confrontados, e a forma como as estamos a vivenciar. Perante isso, a questão que se coloca é se estamos a ser nós mesmos ou se simplesmente estamos na sombra das nossas carências e necessidades, se tentamos estar bem através de um suposto bem-estar que proporcionamos aos outros. É preciso aprender a sair dessa ilusão do Ego, e tal só é possível quando nos colocamos na Luz do nosso próprio propósito, do nosso caminho, individual e único, quando somos nós mesmos antes de sermos o que achamos que os outros pretendem de nós. Para que tal possa acontecer, temos de ser honestos connosco, nomeadamente com o que o nosso coração nos diz e pede, com o que as nossas emoções nos transmitem. Se ficarmos só pela consciência mental, então iremos, com toda a certeza, tropeçar e cair nos mesmos erros. No entanto, se, pelo contrário, ouvirmos o nosso coração, iremos criar um caminho totalmente diferente para a nossa vida.

Escorpião

O caminho que temos feito, nomeadamente nestes últimos anos, tem sido de altos e baixos, duma intensidade incomparável, de tantas aprendizagens, de tantas lágrimas intercaladas com tantas gargalhadas. Essa é a intensidade de vida que gostamos e precisamos de ter, que nos lembra que a cada morte que experienciamos, há uma nova vida à nossa espera, uma nova etapa, um novo trilho. No entanto, há momentos também para ganhar uma nova estrutura, uma nova estabilidade, e é isso que o 4 de Ouros nos vem pedir para este mês, embora com uma devida ressalva. Somos seres que procuram, constantemente, algum tipo de estabilidade, um chão onde colocar os pés, um espaço, um local, onde voltar quando precisamos de recuperar as nossas energias. Nos últimos anos temos vivido muitas experiências e, como tal, o desgaste energético tem sido muito intenso, embora renovador e essencial. Contudo, quando vivenciamos tal intensidade, há um momento em que precisamos de voltar a nós, de recuperar a nossa energia, de recarregar baterias. É tempo, então, de nos centrarmos, de reforçarmos as nossas bases, em todos os sentidos, mas com especial foco em tudo o que é mais físico e material. Como a formiga que se prepara para o Inverno, recolhendo mantimentos para armazenar, de forma a passar a frieza dos tempos vindouros com maior conforto, também agora é o tempo de nos precavermos e reservarmos parte do nosso tempo e do nosso trabalho para ganhar uma base e uma estrutura para o caminho que está à nossa frente. Não nos esqueçamos, porém, que a nossa intensidade, normalmente, tem tendência a levar-nos a alguns extremos e, por isso, esta necessidade de bases e estruturas também corre esse risco. Tudo tem a sua conta, peso e medida, e o que nos está a ser pedido é que saibamos, no fundo, encontrar um ponto de equilíbrio para tudo nas nossas vidas, de forma a que possamos caminhar de forma mais plena, confiando no nosso caminho e ouvindo também o nosso coração mais serenamente. Há um tempo para nos movermos, corrermos e ultrapassarmos obstáculos, mas há outro, como agora, em que é preciso parar um pouco e focarmo-nos em nós, na nossa energia, nas nossas bases, preparando-nos para um novo ciclo que chegará e nos pedirá novo impulso.

Sagitário

Apesar dos desafios que têm sido colocados à energia de Sagitário, nomeadamente com a entrada de Saturno neste signo, temos sido agraciados com excelentes energias, que nos têm permitido crescer e desenvolver muitas das nossas capacidades, e este mês não é, claramente, excepção. A Imperatriz é uma maravilhosa carta que nos lembra que somos seres emocionais e que, quando nos permitimos viver essas mesmas emoções, tornamo-nos criadores do caminho das nossas vidas. As nossas emoções são o reflexo da nossa essência e é vivendo-as e expressando-as que conseguimos dar forma aos nossos sonhos e ao nosso propósito de vida, pois, dessa forma, estamos a activar a nossa centelha divina, a chama de Amor que está em nós e que provém da Fonte de toda a Vida. Este mês o que nos é pedido é que saibamos dar valor às nossas emoções e as expressemos, pois apenas dessa forma iremos sentir-nos mais completos, mais fortes e direccionados para criar o que acreditamos que é possível ser as nossas vidas. Quando fugimos das nossas emoções, quando as ignoramos ou as colocamos de parte, estamos a retirar o maior combustível da máquina de sonhos que somos nós, estamos a suprimir grande parte da força que nos caracteriza e, invariavelmente, mais cedo ou mais tarde, a frustração vai-nos sobrecarregar e impedir de avançar. Agora é o tempo de delinear ideias, de planear e de colocar os nossos sonhos para papéis, cadernos ou qualquer outro tipo de suporte. É tempo de sonhar e definir caminhos, de querer mais e de alimentar tudo isso com força, amor, fé e determinação. Por vezes, na correria de querermos fazer tudo, de querermos marcar a diferença, esquecemo-nos que primeiro precisamos de cuidar de nós, de dar voz a quem somos, pois só dessa forma, verdadeiramente, poderemos superar-nos, e é isso que nos é solicitado para este mês, que saibamos cuidar do nosso coração, das nossas emoções e trazer aquelas pequenas (ou grandes) coisas que temos dentro de nós, à espera de verem a luz do dia, guardadas nas gavetas do nosso Eu, tantas vezes castradas por nós mesmos. É dessa forma, com as nossas emoções, com o nosso amor, que alimentamos aquilo que mais nos caracteriza, a nossa enorme e intensa Fé. Sem Fé, tudo não passa dum simples exercício mental, que fica perdido na nossa cabeça e nunca se materializa naquilo que sabemos ser capazes de trazer ao mundo.

Capricórnio

Depois de um mês tão forte e intenso, como foi o anterior, agora é tempo de parar um pouco, revermos e reajustarmos a nossa própria energia. É um facto que tudo o que temos vivido nos tem pedido muito trabalho, nomeadamente em nós mesmos, e muito pouco descanso. No entanto, o 4 de Espadas é uma carta com uma mensagem clara e muito importante, que nos pede que sejamos capazes, apesar de todo o movimento que a nossa vida nos está a trazer, de parar para focarmo-nos em nós mesmos e no nosso caminho. Como um patamar que encontramos numa enorme escadaria, que nos permite descansar um pouco os músculos e até parar para respirar melhor, também agora nos é pedido que vejamos este momento da nossa vida como um patamar onde precisamos de refrear a nossa necessidade constante de seguir em frente, de superar todos os obstáculos e compreender, tomar consciência, de que só seremos bem sucedidos se conseguirmos equilibrar-nos neste momento e direccionar a nossa mente para o que é realmente importante. É tempo de acalmar o ritmo e nos resguardarmos um pouco mais, de não dar tanta importância ao mundo que nos rodeia e ao ruído que tudo à nossa volta faz, pois só dessa forma vamos conseguir ouvir os nossos pensamentos, focarmo-nos no que é importante nas nossas vidas e acalmar também o nosso espírito. Muitos desafios trazem muitas solicitações e, se pararmos para pensar um pouco, vamos perceber que o cansaço que estamos a viver já começa a superar a nossa própria resistência, pelo que se está a tornar essencial definir prioridades e descansar o corpo e, principalmente, a mente. Por vezes, a melhor acção é a não-acção, pois é nesses momentos que conseguimos ouvir-nos a nós mesmos e vermos claramente os diversos caminhos que temos à nossa frente. Quando nos movemos continuamente, criamos uma espécie de poeira no nosso caminho, que fica para trás quando andamos rápido, mas que nos envolve quando somos obrigados a reduzir a velocidade. Esse é também o momento em que estamos e em que precisamos, para que os próximos passos sejam fortes, determinantes e bem-sucedidos, de aprender que há também um tempo, como o que estamos a viver agora, em que é preciso parar.

Aquário

Este ano tem sido de constantes solicitações e muito movimento, onde nos temos apercebido que pouco ou nada controlamos a não ser as nossas próprias escolhas e decisões. Se no mês que passou nos foi solicitada alguma paciência, neste mês, embora não nos seja pedido algo semelhante, e até, de certa forma, sejamos incentivados a bastante movimento, é preciso termos um pouco mais de atenção à nossa mente, de cuidarmos dos nossos pensamentos, pois a velocidade deles irá ser vertiginosa. O Cavaleiro de Espadas é uma carta muito especial que, ao mesmo tempo que pode trazer resultados extraordinários, pode também ser a fonte de um descalabro, pura e simplesmente porque ela nos fala de uma enorme movimentação mental, com a nossa mente a funcionar de forma imparável, e onde a diferença se fará na forma como a alimentamos com a energia dos nossos pensamentos. Quando pretendemos direccionar a nossa mente para a manifestação e materialização dos nossos objectivos, precisamos primeiro de cuidar dos nossos pensamentos e elevá-los através duma energia de optimismo e criatividade, de puro positivismo, sem alimentar medos ou obstáculos e muito menos intrigas. A energia que este mês nos é trazida é, precisamente, de grande movimentação mental, com ideias, conceitos e pensamentos a fluírem duma forma muito intensa. Bem focados e com o nosso coração pleno de amor por nós mesmos, tais pensamentos alimentam o propósito de rompermos com as nossas próprias barreiras, quebrando os obstáculos que se colocam à nossa frente e capacitando-nos de criar o nosso próprio caminho, levando-nos na senda dos nossos objectivos e sonhos. Se, pelo contrário, nos deixarmos levar pela sua intensidade e, principalmente, se nos deixarmos contaminar pelo mundo que nos rodeia, cravejado de medos e dúvidas, então vamos dispersar-nos, criando um furacão na nossa mente e não conseguindo avançar no que nos propusemos. O segredo de tudo isto é focarmo-nos em nós mesmos, perante todas as aprendizagens que temos feito nos últimos meses, e, dessa forma, com toda a certeza, saberemos focar a nossa mente para a concretização de tudo o que há tanto tempo desejamos.

Peixes

Se o mês passado foi de escolhas e de determinação, trazendo-nos uma energia bastante positiva para o fazer, este vem-nos mostrar que as oportunidades só se mostram a quem está disposto a vê-las e a agarrá-las. O Pajem de Paus é uma carta com uma energia fantástica, que nos diz que o esforço que temos feito em olhar para nós, em descodificarmos muitas das nossas questões interiores, em encontrar um rumo, um propósito de caminho, está, finalmente, a abrir portas e a trazer-nos oportunidades. No entanto, como sempre, de nada serve termos algo que não sabemos ou não estamos dispostos a utilizar, é preciso tomarmos essa decisão interior, assumirmos tal desígnio em nós mesmos, e agarrar cada oportunidade de forma intensa e determinada. Por vezes é-nos difícil tomarmos decisões, pois a nossa densidade emocional é tão forte e profunda que gostaríamos de poder resolver tudo, estar em todo o lado e não necessitar de escolher este caminho ou o outro, mas também já aprendemos que o que diferencia o rio não é o seu destino, mas sim o trilho que ele percorre. Por isso, agora é tempo de decidir também agarrar as oportunidades que a vida nos está a oferecer, aquelas que só surgem quando deixamos de pensar no passado, de ter medo do futuro, e, acima de tudo, de assumir que a nossa maior bússola é o coração, que é ele quem nos dá as respostas correctas, que nos mostra e abre todos os caminhos. Tudo o que temos construído nos últimos meses, tudo o que temos dado espaço para que surja nas nossas vidas, materializam-se agora em oportunidades de crescimento e de mudança, que estão disponíveis para que as possamos abraçar e entregarmo-nos às bênçãos que estão à nossa espera. É preciso agora ultrapassarmos as nossas dúvidas, indecisões e ansiedades, pois o tempo é de vivermos o agora e de assumirmos, agora, o que a vida nos está a dar.

Outros Artigos

Deixe o seu comentário