fbpx
Scroll Top
Avenida Miguel Bombarda, 21 - 7º Dto - 1050-161 Lisboa

Tarot: o que é?

tarotoquee

Quando dou um curso ou um workshop de Tarot, a primeira coisa de que falamos prende-se exactamente com a resposta a esta questão que, na realidade, é a base de toda a sua aprendizagem. Pode parecer algo supérfluo ou descabido, mas como podemos aprender e compreender algo que nem sabemos realmente o que é?

Hoje em dia, com a quantidade de informação que existe, não é muito difícil encontrar algumas muito boas definições do que é o Tarot. Contudo, ainda existe muita informação confusa e estranha, não necessariamente errada (quem sou eu para dizer que a minha é a correcta?), mas é preciso esclarecer alguns pontos de divergência ou de falta de clareza.

O Tarot é, primeiro que tudo, e fisicamente falando, uma ferramenta, na medida em que é composta por uma base física, as cartas, que encerram em si mesmas um profundo sistema esotérico de símbolos e significados. Quando começamos a estudar e compreender o Tarot, rapidamente percebemos que ele funciona duma forma extremamente interessante, frequentemente sob um pressuposto matricial, o que significa que temos camadas em cima de camadas de informação, simbologia e conhecimento. Sempre que trabalhamos com matrizes, a complexidade e a densidade que se obtém é muito grande mas os resultados são magníficos e, por norma, fluídos, sendo essa uma das razões principais da extraordinária capacidade que o Tarot tem de trabalhar as questões que lhe são colocadas.

Ainda antes de aprofundarmos alguns conceitos, é importante perceber a sua forma. O Tarot é composto por 78 cartas que estão divididas em dois grupos. Por um lado temos os Arcanos Maiores, compostos por 22 cartas, numeradas normalmente em numeração românica (excepto o Louco, que é detentor do zero). Os Arcanos Maiores são representativos das grandes energias primordiais ou arquetípicas, usando um conceito do Jung, e formalizam um grande caminho, o Caminho do Louco ou, como também é chamado, o Caminho do Herói (sob o qual irei debruçar-me noutro artigo futuro). Por outro lado, temos os Arcanos Menores, 56 cartas divididas em 4 naipes – Paus, Copas, Espadas e Ouros -, cada naipe com 1 Ás, nove cartas numeradas (do 2 ao 10) e 4 cartas da Corte (Rei, Rainha, Cavaleiro e Pajem). Estas cartas são representativas de energias dos elementos, ou seja, elas vão trazer-nos questões concretas da nossa existência que têm relação com a energia de cada um dos naipes.

A palavra Tarot, curiosamente ou não, é adaptada de um método complementar de impressão que era utilizado nas suas primeiras versões – tarocchi – que também deu origem ao nome de diversos jogos lúdicos de cartas muito populares no século XVI. Contudo, o Universo é profundamente sábio e se pegarmos na palavra TAROT e “jogarmos” com as suas letras, podemos chegar à palavra ROTA, que significa caminho ou à palavra TORA, que representa os primeiros cinco livros do Tanack, o texto central do Judaísmo (e que são também os cinco primeiros livros do Antigo Testamento). Por sua vez, a palavra Arcano significa mistério, num sentido profundamente espiritual, algo muitas vezes não revelado de forma clara, mas sim compreendido, sentido e vivido, intrinsecamente ligado à fé. Desta forma, facilmente percebemos que o Tarot é um caminho, um caminho iniciático de mistérios e de fé, um caminho que nos leva ao mais profundo de nós.

É neste ponto que é imperativo fazer-se uma ressalva. Ao contrário do que muita gente faz por aí, ler, estudar e praticar Tarot não é de todo igual a cartomancia ou a oráculo, muito pelo contrário. O Tarot encerra em si mesmo um sistema muito profundo e denso de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal e espiritual que é preciso respeitar e compreender. Os oráculos, como o próprio nome indica, são por norma ferramentas cujas partes são mais ou menos independentes, embora, claro, possam interagir entre si, se assim o intérprete o entender ou souber fazê-lo, e que servem essencialmente como forma de obter conselhos e orientações. A cartomância, por sua vez, tem um cariz muito maior de previsão e todas as orientações que são dadas é neste pressuposto. A grande força do Tarot está em conseguir juntar tudo isto. A “previsão”, se assim lhe quisermos chamar, embora o mais correcto seja chamar-lhe tendência, une-se à orientação e aconselhamento, mas sempre sob um pressuposto de evolução e desenvolvimento pessoal e espiritual.

Por isso, numa consulta de Tarot, o que tantas vezes acontece é haver um encaixar de peças. O consulente traz uma questão e o Tarot permite aceder ao que está no inconsciente, trazendo as respostas através dos seus símbolos, sendo uma espécie de espelho que revela aquilo que é necessário ver. Ao intérprete cabe a tarefa de descodificar e auxiliar o consulente a resolver o puzzle, compreendendo origens e propósitos maiores para o que está a ser vivenciado.

O Tarot é das mais fascinantes ferramentas da ciência esotérica e, por isso, das mais amadas e consultadas. Costumo sempre dizer que aprender Tarot é relativamente fácil, o complexo é saber compreendê-lo e interpretá-lo, com tudo o que ele tem para nos dizer. O Tarot exige muita dedicação e estudo, mas, acima de tudo, muita prática. Certo é que, ao estudarmos Tarot, estamos sempre a estudar-nos a nós mesmos e a compreender um pouco mais de quem somos e do nosso percurso nesta vida.

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.