fbpx
Avenida Miguel Bombarda, 21 - 7º Dto - 1050-161 Lisboa

A Passagem

20150330

Boa tarde!

Chegámos à semana da Páscoa, que conclui um período de Quaresma tão forte e intenso, com tantos acontecimentos, e alguns que nos marcaram de forma singular. Páscoa é passagem, é renascimento e redenção, mas tudo isso implica mudança, implica entregarmo-nos à transformação profunda do nosso Eu.

As mudanças mais fortes e intensas são aquelas que não são visíveis, são aquelas que são operadas dentro de nós e que nos vão reprogramando, calma e levemente, à medida que a vida nos vai apresentando os seus desafios, à medida que vamos percorrendo o nosso caminho. Não é a nossa codificação original que vamos mudar, até porque nós não mudamos naquilo que são os nossos comportamentos instintivos e a nossa personalidade, é sim o apuramento da essência luminosa dessa codificação original, o despertar do diamante que, durante tantos anos, nada mais foi do que uma pedra tosca e dura.

Assim como Jesus teve de morrer para que o Cristo pudesse cumprir a sua missão, também em nós tem de haver o renascimento para o nosso caminho e para o nosso propósito, a compreensão de quem somos, a entrega absoluta que, por si só, também implica o sacrifício de algo. Sacrifício é isso mesmo, um sacro ofício, uma tarefa tão sagrada que, quando feita com e por Amor, se torna na mais sublime e bela energia de transformação.

Compreender a passagem que estamos a viver, neste momento das nossas vidas, individual e colectivamente, permite-nos aceitar o nosso propósito e fazer o nosso caminho de forma mais fluída, sem o sofrimento que tantas vezes está associado à vida na Terra. Sofrimento e dor são coisas diferentes, com propósitos substancialmente diferentes também. A dor ensina-nos, pois ela é o quebrar de estruturas que já não nos servem, ou que tiveram um propósito, e o abrir para um novo Eu, um novo caminho, uma nova realidade. A dor eleva-nos, pois ela indica-nos que depois dela há uma Luz mais forte e um Despertar do verdadeiro sentido da caminhada percorrida. O sofrimento, por seu lado, é um prolongar da dor, é uma não-aceitação dessa mesma dor e uma vivência vitimizada de tudo o que a vida nos propõe ultrapassar e superar.

Quando somos capazes de ver esta diferença e de a aceitar na nossa caminhada, então somos capazes de nos transformarmos e de encontrarmos, em cada caminho, a beleza de todas as coisas, o renascer e o reajustar do nosso próprio percurso em prol da Luz que, um dia, a nossa alma escolheu trazer à Terra. Esta é a verdadeira passagem que precisamos de aceitar e fazer, neste momento, nas nossas vidas.

Boa semana!

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.