fbpx
Scroll Top
Avenida Miguel Bombarda, 21 - 7º Dto - 1050-161 Lisboa

Olhar para dentro de nós

20150316

Boa tarde!

Paremos um pouco para olhar o ritmo dos nossos dias. O tempo tem passado a voar, os dias passam sem que tenhamos a noção, não conseguimos dar vazão a tudo o que temos para fazer, a frustração começa a pesar em nós e há um momento em que somos obrigados a parar e a olhar para o nosso Eu, para o que se está a passar connosco, questionarmo-nos se é isto que queremos manter na nossa vida ou se pretendemos um novo caminho.

Os tempos que vivemos pressionam-nos das mais diversas formas, por todos os flancos, aniquilando aquele controlo que achávamos que tínhamos sobre as nossas vidas, quando estava tudo tão certo e tão direitinho que, pensávamos nós, nunca iria mudar, apenas crescer.

O problema do ser humano foi, nomeadamente nos últimos séculos, pensar que a forma desse crescimento teria de ser pelo Ego, pela posse, pelo materialismo. Criámos, por isso, um ambiente de medo e de temor, onde o controlo da inteligência e da capacidade mental tornou-se uma das mais fortes e maiores realidades do mundo de hoje. Não, não é um cenário dantesco nem de ficção, pois se olharmos à nossa volta e nos permitirmos pensar, raciocinar, mas, acima de tudo, sentir, veremos que é a realidade em que vivemos.

Sim, o caminho é de crescimento, mas de crescimento do que é ser-se Humano. Crescer é tomar consciência do nosso papel nesta Terra, neste estágio evolutivo. Crescer é libertarmo-nos das prisões do Ego, nomeadamente as do materialismo e compreender que a Terra, o Universo, a Fonte, dá-nos sempre tudo o que necessitamos. Como nos disse o Mestre, olhemos para a Natureza à nossa volta, ela existe, cumpre o seu papel, e o que a rodeia dá-lhe tudo o que ela necessita para ser apenas ela mesma. Sim, existem hierarquias e competições na Natureza, entre as plantas e os animais, mas não existe raiva, mesquinhice, nem sequer apego, pois ela rege-se pela mesma energia que criou todo o Universo, a energia do Amor.

Olhemos para dentro de nós, a nossa própria vida, compreendamos o que é verdadeiramente importante para nós. Será que estamos a dar a devida atenção? Será que nos estamos a dar o devido valor? Será que estamos a dedicar-nos da forma correcta, a nós e ao que amamos? Estamos a dar o melhor de nós no que realmente nos faz feliz? Crescer enquanto humanidade é reconhecermos que é o Amor que nos move, é o Amor que cria, é o Amor que nos une. Crescer enquanto humanidade é também compreender que cada um de nós é único e tem um papel singular.

Nesta semana em que nos céus tanto se irá passar, sentiremos o peso e a pressão destas coisas que descrevi. Por isso, volto ao início, paremos um pouco para olhar o nosso ritmo, paremos um pouco para olhar para dentro de nós e percebamos se realmente estamos a ser nós mesmos ou apenas a ser um espectro do que achamos que a sociedade espera de nós e nos impõe.

Boa semana!

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.