fbpx
Avenida Miguel Bombarda, 21 - 7º Dto - 1050-161 Lisboa

Rasgar o Casulo

20150608

Boa tarde!

Há algumas semanas falei aqui da ideia da metamorfose, associada à metáfora da lagarta e da borboleta. Hoje, retomo essa ideia para falar de um outro forte e tão importante momento, aquele em que, em tantos momentos na nossa caminhada, quando atingimos determinados patamares, somos obrigados a viver, o de rasgar o casulo e seguirmos em frente a mais uma etapa.

Cada processo de transformação é, na realidade, uma vivência de morte e renascimento, que tem como grande propósito não só crescermos, mas também evoluirmos. Morrer não é fácil, mas é necessário, pois é na morte que nos desprendemos, que nos desapegamos daquilo que já não nos pertence, do que não necessitamos mais para podermos crescer e evoluir. Como a lagarta, precisamos de abdicar de tudo o que somos em prol da nossa própria evolução. Tal não é simples, não é fácil, mas, sem dúvida, é essencial.

Muitas vezes, gostamos da ideia da transformação e até decidimos fazer algumas coisas para isso, mas quando compreendemos o compromisso e a entrega que tal nos exige, quando percebemos que é preciso viver a dor desse processo, morrer em quem somos, encarar a nossa sombra, o nosso lado mais negro e os nossos maiores medos, desistimos e mantemo-nos como estávamos, na ilusão de uma suposta modificação. Muitas outras vezes, em casos ainda piores, ficamos encurralados dentro dos processos que já iniciámos, pois desistimos, tão pura e simplesmente, de nós mesmos.

Nesses momentos, o chão debaixo dos pés parece ser-nos tirado e a sensação de não sabermos quem somos, não sabermos que caminho escolher, invade a nossa alma. O processo seguinte é previsível, é o da vítima, pois torna-se mais fácil projectar sobre os outros, a sociedade, o governo ou sobre a sorte e o acaso aquilo que, na realidade, é apenas fruto das nossas próprias escolhas. Contudo, esse processo apenas amplifica a vivência da prisão interior e a estagnação da nossa caminhada. É preciso ter a coragem de assumir um caminho e de viver essa abnegação profunda em prol de nós mesmos. Como o Dependurado, no Tarot, é preciso entregarmo-nos, por inteiro, por nossa livre vontade, ao processo que, no nosso coração, sabemos que nos levará à mais profunda e bela transformação.

Tão forte e difícil como viver essa transformação dentro do casulo, também o seu rasgar e o sair de dentro dele pode ser um processo muito complexo, pois ele é o reflexo duma escolha, da vivência de um caminho de ascensão que começa dentro de nós mesmos. Quando vivemos tal processo, há um velho Eu que é liberto para dar à Luz um novo Eu, mais próximo da nossa verdadeira essência, mais em sintonia com o nosso propósito de vida. Rasgar o casulo é também aceitar o nosso caminho, sair dele e voar é reconhecer a nossa centelha divina e largar os medos ligados ao Ego, é compreender que somos mais do que nós mesmos, que cada etapa neste percurso terreno é mais um degrau que subimos em direcção à união com o Todo, é mais um passo no retorno a Casa.

Boa semana!

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.