fbpx

Libertar o Divino em Nós

20150928

Bom dia!

Há poucas horas vivemos a Lua Cheia, chamada de Lua de Sangue, que também foi Eclipse! A Lua mostrou-se um pouco maior que o normal e, pelo efeito do alinhamento com a Terra e o Sol, que a levou a ser eclipsada, tomou um tom avermelhado. As ideias e profecias de fim do mundo multiplicam-se, como normal, e, de certa forma, até têm um tom de verdade. Este é o fim, não do mundo, mas de um ciclo, de uma parte do caminho, para que possamos abraçar um novo Eu, um novo trilho que, na realidade, é apenas a continuação do percurso que temos feito, mas com uma tomada de consciência maior de quem somos e de quem, a partir deste momento, pretendemos ser.

O Eclipse deu-se com o Sol em Balança e a Lua em Carneiro, trazendo-nos a revelação do nosso Eu e o confronto directo com uma das mais básicas mas mais importantes leis do Universo, a Lei do Retorno. Em Balança, o Sol ilumina o outro como um espelho de nós mesmos, e a Lua em Carneiro devolve-nos essa tomada de consciência e imprime-a na nossa Alma, relembrando-a do propósito que nos trouxe até à Terra. Se, na nossa caminhada, estivermos já conscientes de quem somos e em trabalho de desapego dos vícios, hábitos e padrões do Ego, ainda que possa ser numa fase muito embrionária, então este momento de Eclipse será, certamente, a faísca que irá acender o fogo divino que existe em cada um de nós, queimar o que precisa de ser queimado e colocar nas nossas mãos a possibilidade de criarmos um novo Eu, um novo caminho.

No entanto, se, pelo contrário, continuamos agarrados aos velhos padrões, aos hábitos, medos e zonas de conforto, impedindo-nos de vermos o potencial criador que existe em nós mesmos, então vamos fechar-nos ainda mais na vitimização, na desresponsabilização, seremos avassalados pelo medo de perder o pouco que achamos ter, pois passamos uma vida a entregarmo-nos a um trabalho para ter um pedacinho de pão num tempo qualquer, e até isso nos parece ser retirado.

O Universo só nos tira o que realmente não é nosso, para que, em contraponto, poder dar aquilo que necessitamos e merecemos para crescer, evoluir e transformarmo-nos. Com o Sol em sextil a Saturno, acabado, há poucos dias, de entrar em Sagitário, ao mesmo tempo que faz um trígono à Lua, ambos aspectos muito positivos, é-nos pedido que assumamos a responsabilidade dos nossos actos, das nossas escolhas, do que alimentamos no nosso coração, pois iremos agora receber o dividendo de tudo o que temos dado ao Universo, ao nosso irmão e ao mundo que nos rodeia. Quando tomamos consciência do nosso Eu e do que precisamos de transformar nas nossas vidas, então reforçamos a capacidade de criar um caminho mais sólido, mais forte e mais seguro.

A força deste eclipse não reside no potencial destruidor de uma Lua em Carneiro, mas sim na reflexão que ela, em conjunto com o Sol, faz de nós mesmos. Notemos como uma pequena vela acesa, num quarto totalmente escuro, projecta sobre a parede a sombra de um pequeno objecto que está à sua frente. Consoante a posição em que colocarmos o objecto perante a luz, a sua sombra poderá se gigantesca ou quase inexistente. Assim também é este Eclipse, que revela a nossa sombra dependente das prisões do Ego a que nos mantemos presos, à viciosa relação que temos com aquilo que, sabemos, é o que está podre nas nossas vidas e neste mundo em transformação. Tudo isto é reforçado com a forte conjunção do Sol e da Lua com os Nodos Lunares Norte e Sul, respectivamente. Os Nodos Lunares são os orientadores do nosso caminho evolutivo e, dessa forma, com a conjunção do Sol e da Lua a estes pontos, todo o trabalho deste eclipse é amplificado, ao mesmo tempo que lhe é dado um propósito evolutivo. Então, aproveitemos também para revelar perante nós mesmos essa nossa sombra, essa parte podre de nós mesmos e, assim como a Terra tapa a Lua de receber a luz do Sol, eclipsando-a, permitirmos também limpar essa energia do nosso Ser, dando valor ao que realmente é valioso nas nossas vidas e permitindo que o Universo cuide do restante.

Um eclipse é sempre um momento forte e intenso, um momento transformador que coloca à nossa disposição uma energia extraordinária para que a possamos trabalhar em nós. No entanto, essa escolha, como sempre nas nossas vidas, é apenas e unicamente nossa. Quando nos permitimos abrir o nosso coração para o Amor, para o nosso propósito, libertando-nos dos velhos sentimentos, hábitos e padrões, deixando para trás quem fomos e criando o nosso novo Eu em cada momento, em cada situação, tendo a consciência dos nossos actos e assumindo a responsabilidade de cada um dos nossos passos, então reconhecemos a nossa centelha divina e libertamos o que de mais divino existe em cada um de nós.

Boa semana!

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.