fbpx
Avenida Miguel Bombarda, 21 - 7º Dto - 1050-161 Lisboa

Missão

20160519

Erich Fromm, psicanalista, filósofo e sociólogo alemão, escreveu um dia: «A principal missão do homem na vida é dar Luz a si mesmo, é tornar-se aquilo que potencialmente é.» Todos nós procuramos um sentido de missão nesta vida, muitas vezes sem sequer compreender o que é isso de “missão”, às vezes confundindo esta mesma ideia, este conceito, com um outro que falei numa reflexão, há uma semana, o de Visão, ou propósito. É partindo desse mesmo ponto de vista, proveniente das ciências de Gestão, tal como nessa reflexão, que também podemos compreender esse mesmo sentido, o de missão.

Se nós somos o barro que as mãos do oleiro vão moldar, a missão que abraçamos é, no fundo, o caminho que nos leva desse pedaço disforme até à forma que se ajusta à função, com todos os pormenores e com toda a dedicação que é necessária. A vida, no fundo, é a roda que não para, que faz esse movimento perpétuo, que ajuda o oleiro, o nosso próprio espírito, a criar a vida que, num tempo fora deste tempo em que vivemos, desenhámos, definimos, a tal visão.

Pensando em todo o processo que o barro leva, desde que é recolhido da terra, até se formar num vaso ou noutra qualquer peça, é fácil perceber esse sentido de missão. A missão é, no fundo, a forma como chegamos à nossa visão, o caminho que temos de trilhar, em cada momento, em cada volta da roda do oleiro, onde vamos crescendo e tomando forma, onde encontramos obstáculos que nos dão um toque especial, que precisamos de contornar, mas que, no fundo, nos levam também até ao momento em que cumprimos o nosso propósito.

Nenhum processo é igual a outro, assim como nenhum de nós é igual ao seu irmão, pois cada um tem uma roda própria, tem um material semelhante que o constrói, mas um espírito único que molda esse material. O oleiro, sabendo que tipo de vaso quer criar, mune-se das ferramentas que necessita para, no momento certo, as poder retirar e usar. Da mesma forma, antes de virmos à Terra cumprir o nosso propósito, definimos as ferramentas que necessitamos, todas elas, desde as questões mais físicas às psicológicas e emocionais, desde as virtudes aos obstáculos, desde aqueles que nos irão ajudar, aos que nos vão trazer dificuldades. É dessa forma que, com o nosso livre-arbítrio, vamos encarar cada uma das etapas do nosso caminho, cumprindo a missão que escolhemos.

No entanto, quando olhamos para nós pelo olhar que o mundo nos criou, esquecemo-nos que cada vaso é único e, como tal, a missão que carregamos é diferente de qualquer outra aqui na Terra. De forma inversa, comparamo-nos, invejamo-nos, julgamos o caminho do outro por aquilo que achamos correcto ou incorrecto, mas esquecemo-nos que foi calçando os seus sapatos que ele percorreu esse trilho, que foram as suas mãos que moldaram o seu barro, que houve momentos em que o molde foi mais difícil, que mais água foi necessária, mas que houve outros em que a forma que pretendíamos não foi tão fácil de atingir.

O principal de uma missão é, na verdade, encontrarmos a forma escondida no barro, revelar a beleza do espírito e, como Erich Fromm dizia, dar luz a si mesmo. Se olharmos para o trabalho de outros ou se colocarmos o barro num molde, não é uma personalidade nem uma individualidade que estamos a criar, mas sim um clone, algo sem uma vida, uma luz própria. Contudo, se, de outra forma, olhando o barro, o material que trazemos para construir a nossa vida, e permitindo que o caminho nos mostre como nos podemos construir, sendo que, para tal, é necessário estarmos focados na roda do oleiro, compreendendo cada volta que ela dá, respeitando os seus ritmos e velocidades, revelando a forma subtil dentro da massa disforme, então estaremos a trazer a Luz de dentro de nós mesmos, iluminando e dando forma ao nosso próprio potencial, cumprindo essa mesma missão que carregamos desde o dia em que nascemos.

Nenhum de nós carrega uma missão superior à do outro, o que não faz com que o médico, o engenheiro, o terapeuta ou o padre sejam superiores à dona de casa, ao varredor de ruas ou ao desempregado. Pelo contrário, quando somos capazes de aceitar e conhecer o nosso próprio caminho, a nossa própria missão, então também somos capazes de respeitar e compreender a missão única de cada um dos que nos rodeia, amando-o como a nós mesmos e cumprindo o mandamento do Mestre. No fundo, se pensarmos bem, se Ele, que teve uma missão maior, tão profunda e importante, foi capaz de olhar para aqueles cuja missão passou pelo sofrimento, pela dor e pela doença com um amor tão grande e profundo, então cabe-nos a nós aprender e incorporar também essa sua lição no nosso próprio caminho.

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.