fbpx
Scroll Top
Avenida Miguel Bombarda, 21 - 7º Dto - 1050-161 Lisboa

Como a Água e a Árvore

20230306reflexaocomoaaguaeaarvore

Os tempos de mudanças e transições energéticas, como o que estamos a viver, são sempre de desafio e alguma turbulência. Eles funcionam como pontes que, individual e colectivamente, atravessamos, que nos levam duma realidade, dum conjunto de condições, valores, certezas e verdades que, na prática, já não funcionam e não nos permitem crescer, para outra estrutura, outra dimensão do nosso ser, de funcionamento da nossa sociedade e do mundo, que reflecte os caminhos que fizemos ao longo de algum tempo e abre as portas para novos caminhos e novas construções. Estas pontes são, muitas vezes, como montanhas que subimos, onde os ventos são fortes, onde facilmente nos perdemos, onde o nevoeiro, muitas vezes, se instala, mas onde, também, encontramos preciosidades, dádivas de beleza única e muito alimento para processos muito importantes de resgate da nossa essência.

O ego humano não gosta de mudança, ainda que todos os dias vivamos mudanças, seja nas nossas células, seja nas coisas mais mundanas da nossa vida. A mudança é uma constante, e uma das poucas certezas das nossas vidas. Contudo, a nossa dimensão terrena, manifestada logo pelo nosso corpo físico, pede estrutura, anseia por conforto, por controlo, pela previsibilidade das coisas. Tudo o que possa sair dessas condições vai causar-nos algum tipo de stress e ansiedade, principalmente nestes momentos mais desafiadores e conturbados, momentos extraordinariamente importantes para todos nós, enquanto humanidade.

Perante estas condições, existem princípios, valores e atitudes que nos são solicitados, como um pedido para podermos voltar às coisas mais básicas da nossa existência humana e repensá-las, resgatá-las e reintegrá-las na nossa própria consciência. Quando tudo muda é quando mais precisamos de nos recordar do carácter mutável da nossa existência e compreendermos que necessitamos de ser, ao mesmo tempo, como a água e como a árvore, duas grandes mestres e sábias deste planeta, que têm, entre muitas outras qualidades, duas que são essenciais: a paciência e a humildade.

Podemos pensar que a água e uma árvore não têm consciência para manifestar duas virtudes em si mesmas, mas esse pensamento é apenas fruto dum desligamento que ao longo de centenas de anos fizemos em relação ao mundo e à natureza que nos rodeia e nos acolhe, que gera uma soberba que, na verdade, nos poderá custar a própria extinção. Água e árvore não são seres pensantes nem conscientes como nós, mas são energia, tal como nós, e contêm em si mesmas vibrações que nós, humanos, podemos identificar como virtudes, como catacterísticas que, normalmente, só atribuiríamos a outros seres humanos.

O Tempo é o grande mestre aqui na Terra, o grande dimensionador da nossa existência, e, também ele, é paciente e humilde.

Muitas vezes, precisamos de ser como a água que, no seu propósito maior de retorno ao oceano, se permite levar, guiar e orientar, muitas vezes pelas próprias adversidades que lhe surgem no caminho. Perante a rocha, a água não se detém e, assumindo uma parte complementar da própria forma da rocha, torna-a um caminho, contornando-a. Nessa espécie de postura, em que a água assume os contornos da rocha, ela humildemente se entrega ao seu próprio obstáculo, fazendo dele uma parte importante da sua aprendizagem, ajudando até a rocha a limpar-se de limos e outras sujidades, polindo-a ao longo do tempo até se tornar um seixo que uma criança, quem sabe, um dia poderá pegar, admirar e levar para casa.

Da mesma forma, perante uma barreira, um dique ou uma barragem, a água acumula-se, pacientemente, novamente tomando a forma do obstáculo e procurando, ou até criando, um caminho, uma brecha, um pequeno canal. A paciência confere à água força, resiliência e resistência, transforma-a, molda-a para que ultrapasse ou quebre o obstáculo e, a seguir, ser novamente fluxo.

Com esta mesma consciência, nestes tempos tão profundos, precisamos também de ser como a árvore que coloca as suas raízes profundas na terra e cresce em direcção ao sol, honrando-o com a sua copa, com os seus ramos, com as folhas, as flores e os frutos, tornando-se casa para tanta vida. A árvore reconhece o quanto a Mãe Terra lhe deu e lhe dá e, em profunda humildade, dá-se também a toda a vida que a rodeia. É esta verdade, presente em cada célula do seu ser, que a torna um dos seres com maior longevidade neste planeta, que ultrapassa gerações e gerações de humanos, tendo muitas delas o privilégio de ver povos surgirem e desaparecerem, nascimentos e mortes, guerras e paz, oferecendo a todos a mesma dádiva de casa, de alimento, de sombra e vida.

Por isso, a árvore também é profundamente paciente e compreende que só poderá crescer em direcção ao sol, tornando-se mais frondosa e bela, se também crescer para o interior da Terra através das suas raízes. Isso leva tempo, mas, na verdade, ela tem todo o tempo da sua vida disponível, ainda que não haja um segundo a perder, a protelar, a distrair-se no seu propósito. A árvore sabe que, quanto mais fortes forem as suas raízes, maior a resistência às intempéries, às tempestades e às catástrofes. É nesta paciência que a árvore se torna sábia, ganhando uma casca mais rígida e sólida, sem dúvida, mas compreendendo que é em cada momento que a vida se vive, é em cada instante que a vida acontece, é em cada momento, com tudo o que ele nos oferece, mesmo que desafiador, que se abre uma oportunidade de crescer, de evoluir, de suplantar a própria matéria.

Nestes tempos que vivemos, tão acelerados e tão intensos, tão cheios de coisas a acontecerem, tantas que nem temos tempo de processar, é-nos dada também a oportunidade de crescermos, de evoluirmos, de nos transformarmos. Como a água ou a árvore, é conjugando o fluxo da vida com a consciência de estarmos nela presentes, que, paciente e humildemente, conseguimos ver os profundos ensinamentos que os tempos nos oferecem. Por vezes é doloroso, é verdade, sentimo-nos sem chão, deixamos de acreditar em nós e no mundo, vivemos verdadeiras crises de fé, mas, com tempo, o nevoeiro se esbate, os véus rasgam-se e o caminho se revela. O Tempo é o grande mestre aqui na Terra, o grande dimensionador da nossa existência, e, também ele, é paciente e humilde.

É neste sentido que nos é pedido que, mais do que nunca, nos centremos e coloquemos as nossas raízes nos lugares certos. Tal implica também compreender que não é nas coisas da matéria que vamos encontrar terreno fértil e estruturado para podermos crescer, mas sim no que nos torna verdadeiramente humanos, nas qualidades, nos valores, nas virtudes que nos conectam com o que mais divino existe em nós. É assim que estamos verdadeiramente presentes na nossa própria vida, na sociedade, na comunidade e no mundo em que vivemos e que, enraizados, trazemos ao de cima a capacidade de gerar um fluxo de prosperidade, não só espiritual, mas também das tais coisas da matéria, essenciais para a vida neste plano, mas que nos pedem uma reaprendizagem para que não continuemos a ser a ela servis. É como a água ou a árvore, em humildade e paciência, que o nosso caminho aqui se torna mais compreensível, mais sereno e, seguramente, mais belo.

Posts Relacionados

Deixa um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.